Conheça o tratamento para remoção de tatuagem a laser

Remoção de tatuagem a laser

Escolheu um desenho não tão legal ou fez aquela tatuagem com o nome do boy que virou ex e se arrependeu? Relaxa, pois é possível resolver esse problema. Muita gente já tomou decisões precipitadas e marcou o corpo com  tinta definitiva. Mas já faz tempo que a coisa não é tão definitiva assim. Com o avanço da tecnologia, há técnicas de remoção a laser, bastante difundidas, mas que ainda são desconhecidas para algumas pessoas. Se você é uma delas e quer se livrar da sua tattoo indesejada, confira as dicas que nós do Peixe Urbano selecionamos para tirar dúvidas sobre remoção de tatuagem:

Tipos de lasers

Existem cinco tipos de lasers para remover tatuagens. Cada um remove um tipo de pigmento. Por isso, é muito comum recorrer a mais de um equipamento, combinando a tecnologia deles, para que o trabalho seja mais eficiente. O ideal é procurar um local que ofereça o aparelho necessário para você. Confira quais são eles:

  • Passivo é o mais comum no mercado. O procedimento é mais barato, mas ele não remove completamente o desenho.
  • Ativo transforma os pigmentos da tinta em partículas minúsculas, para que os glóbulos brancos, presentes em nosso sistema imunológico, consigam eliminá-los de maneira mais fácil. Esse é mais eficiente que o anterior.
  • Laser Q-switched Ruby é eficaz na remoção dos pigmentos mais escuros como preto e azul, mas não removem cores claras como amarelo, verde e vermelho.
  • Laser Q-Switched Alexandrite é eficaz na remoção de pigmentos mais escuros da tatuagem, mas assim como o anterior, em cores claras não demonstra muita eficácia.
  • Laser Q-Switched Nd-YAG tem cristais de fosfato de potássio titânio em sua onda. Isso faz a frequência e o alcance do feixe de luz dobrarem, penetrando nas camadas mais profundas da pele. O equipamento remove tanto tintas escuras quanto as mais claras.

Cuidados antes e depois

Para ter um bom resultado, é fundamental evitar tomar sol por pelo menos 30 dias antes e depois de cada sessão. Isso porque a pele bronzeada é mais suscetível a queimaduras.

Agora, se você está grávida ou sofre de transtornos imunossupressores, como diabetes, vitiligo, psoríase e miastenia gravis, a recomendação é não fazer a retirada de tatuagem a laser.

Pós-remoção

A sensação do laser é como se uma gordura quente penetrasse a pele. Com isso, após a sessão, a área fica vermelha, queimada e, às vezes, com bolhas. Como o procedimento é bem doloroso, há necessidade de anestesiar o local com cremes ou injeções. E para tratar o ferimento, é preciso passar uma pomada cicatrizante e antibiótica, além de fazer curativo por cerca de uma semana.

Sessões necessárias

A quantidade de sessões vai depender do tamanho da tatuagem e da coloração dela. Desenhos totalmente pretos e menores são mais fáceis de serem removidos. Mas, de forma geral, o tratamento é longo, de cinco a 12 sessões, com um intervalo de um mês entre elas. Ou seja, de seis meses a um ano para conseguir um resultado satisfatório.

‘Cover up’

Agora, se você é daqueles que se arrependeu da tattoo, mas morre de medo de removê-la  a laser, que tal fazer um cover up e ter uma mais bonita ainda? A nossa dica é procurar um estúdio bacana de tatuagem para o procedimento. Converse com o profissional e veja o que é possível fazer para salvar o seu desenho ou até transformá-lo em outro bem mais cool.

E aí, você tem  uma tatuagem que não ficou tão legal assim? Confira nossas ofertas de remoção a laser e aproveite.

Veja também 3 dicas para não se arrepender da tattoo.