Cozinha japonesa além da mesa

culinaria japonesa

A culinária japonesa está entre as queridinhas dos brasileiros, mas isso não quer dizer que somos experts no assunto. Nossa mania de inventar sabores de sushi e mergulhar as peças sem dó no shoyu deixaria muitos japoneses de cabelo em pé.

Confira algumas curiosidades sobre essa cozinha para fazer bonito no restaurante japonês!

Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

A culinária japonesa tradicional foi reconhecida pela Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2014. Entre as gastronomias nacionais, somente a culinária francesa compartilha esse título com a cozinha japonesa.

Cozinha japonesa é fonte da juventude

O peixe – base da culinária japonesa – é rico em ômega 3, substância capaz de retardar o envelhecimento cerebral. Também traz benefícios para o sistema cardiovascular, diminui o colesterol ruim (LDL) e aumenta o colesterol bom (HDL). Mas nem por isso você deve consumir sushis em excesso.

Missô contra os efeitos da radiação

O missô (pasta de soja) possui componentes que ajudam a prevenir a morte celular provocada pela radiação. Seus benefícios foram percebidos após o lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki e, desde então, o alimento é utilizado no tratamento de pessoas expostas a altos níveis de radiação.

Nem tudo vem do Japão

Alguns pratos foram incorporados à culinária japonesa, como o tempurá, prato frito de influência portuguesa e espanhola, e alguns itens da cozinha chinesa (guioza, yakisoba e lámen, por exemplo).

Já algumas variações foram criadas no Ocidente para adaptar a comida ao paladar de cada país – e não entram no Japão, diga-se de passagem. Por exemplo, o uso de cream cheese é uma invenção dos Estados Unidos, assim como o Hot Philadelfia, modalidade frita do sushi. Os makimonos com frutas também passam longe da tradição.

Use o shoyu com moderação

O sabor do molho shoyu não deve sobrepor o de outros ingredientes e o ideal é molhar apenas as carnes sem tempero, como os sashimis (sem mergulhar a peça inteira). Os niguiris (sushis com uma fatia de peixe sobre um bolinho de arroz) devem ser mergulhados ao contrário, molhando apenas o peixe. Os japoneses também não misturam o wasabi no shoyu, como fazem os brasileiros mais ousados. Os temperos são acrescentados em pequenas quantidades, mantendo os sabores equilibrados.

Os palitinhos

Comece não chamando os hashis dessa forma. Se você não domina a técnica para manuseá-los, sinta-se à vontade para pedir talheres. Mas se optar pelos hashis, procure observar a forma correta de usá-los. Dica: não espete-os na comida (isso remete às cerimônias fúnebres no Japão), não gesticule e não aponte as pessoas com eles, pois é falta de educação.


Agora que você já é quase um especialista, confira as ofertas de restaurante japonês no Peixe Urbano!