Curiosidades que todo amante de vinho precisa saber



Tinto, branco ou rosé, o vinho é uma das bebidas mais apreciadas no mundo. Além disso, ele acompanhou grande parte da evolução econômica, política e sociocultural remontando vários períodos da humanidade. Então, não mais justo do que listarmos algumas curiosidades para você se apaixonar ainda mais por esse líquido dos deuses.  

Origem

Até hoje não se sabe ao certo sobre a origem do vinho. Isso porque a bebida surgiu muito antes da escrita. Porém, os enólogos acreditam que tenha sido por acaso, após alguém ter esquecido um punhado de uvas amassadas em um recipiente e sofrido fermentação espontânea.

‘Saúde’

Na Grécia Antiga era preciso que o anfitrião da casa tomasse o primeiro gole de vinho para provar a todos que a bebida não estava envenenada. Foi por isso que surgiu a expressão “saúde”, muito comum na hora de brindar atualmente. E por falar em saúde, alguns estudos científicos mostram que a bebida diminui o risco de ataque cardíaco, de Alzheimer e de derrame. Ou seja, beber vinho com moderação pode ser uma ótima maneira de prevenção a várias doenças. Isso não é uma maravilha divina?

Cores

A cor avermelhada presente no vinho tinto ocorre devido à extração de pigmentos na casca da uva. O vinho branco, por sua vez, é fermentado sem a casca. Por isso, a ausência de cor. Já o vinho rosé pode ser produzido de duas formas: pela cuidadosa mistura de vinho tinto com vinho branco ou por uma maceração das uvas pretas no mosto, que é mistura açucarada destinada à fermentação alcoólica.

Degustação

A análise de um vinho passa por três importantes etapas: visual, olfativa e gustativa. Ou seja, você vê, cheira e depois, claro, saboreia. Na primeira é importante que o local esteja iluminado e que tenha um fundo claro, para observar melhor a coloração do líquido. A segunda fica por conta da identificação dos principais aromas, que podem ser divididos da seguinte maneira: primários (geralmente de frutas, flores e ervas), secundários (da ação de leveduras e bactérias) e terciários (de especiarias, couro ou frutos secos). Já processo gustativo trata-se da identificação dos aspectos de sabor como acidez, doçura, álcool, taninos, corpo, final de boca e qualidade geral da bebida.

Liberação de aromas

Uma dica para liberar mais aromas é girar a taça. Isso ajuda a oxigenar o vinho. Por isso, a importância de servir apenas 1/3 da bebida na taça.

Armazenamento

Sabia que o pior local para guardar o vinho é na cozinha? Isso mesmo, pois o cômodo é o lugar da casa como maior variação de temperatura, o que pode interferir no sabor. Para a melhor conservação da bebida, é importante mantê-la em um ambiente mais fresco, escuro e ligeiramente úmido.   

Primeira DOC

A região de Douro, em Portugal, que produz o Vinho do Porto, conquistou o título de primeira Denominação de Origem Controlada (DOC) do mundo. O local também foi classificado como Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O Vinho do Porto (que não não fica na região de Porto) recebeu esse nome porque ficava armazenado no porto de Douro antes de ser exportado.

Champagne ou espumante

Muitas pessoas acham que todos os espumantes são Champagne. Porém, apenas o produzido na província de Champagne, na França, recebe esse nome. Então lembre-se que nem todo espumante é Champagne, mas todo Champagne é um espumante.

Seco e suave

Os vinhos que levam açúcar são chamados de suaves. São mais simples e elaborados com uvas comuns de espécies americanas, às de mesa, feitas para comer. Já os vinhos secos, também chamados de vinhos finos, são produzidos com uvas mais nobres, de espécies “viti viniferas”.

Vai dizer que não ficou com vontade de degustar um bom vinho? Porque a gente ficou! Veja as opções do Peixe Urbano e tenha ótimas experiências.