E-commerce local (Jornal Diário da Manhã)

Em 2010, nascem os sites de compras coletivas e viram febre na internet. Basicamente são ofertas com descontos atraentes e por muitas vezes agressivas com o objetivo de atingir o maior número de usuários e o maior número de compras feitas por elas. Com mais de dois mil sites com esse posicionamento surgiu a mudança e o reposicionamento de mercado. Segundo Marcus Luiz Niemeyer, gerente de entretenimento do Peixe Urbano, o site se consolidou esse ano como e-commerce – comércio eletrônico ou comércio virtual, não presencial feita através de um equipamento eletrônico como computadores, tablets ou smartphones.

Segundo Niemeyer, Goiânia vem se destacando no cenário cultural e de entretenimento e a empresa enxergou como potencial de mercado. Para a melhor experiência do usuário, a parceria com o Foursquare – um app de geolocalização – vem para dar maior visibilidade e oportunidade para o anunciante dentro de um dos maiores aplicativos do mundo.

MN jornal

 

 

 

 

 

 

 

 
DMRevista: Qual é a nova proposta do Peixe Urbano para Goiânia?

Marcus Niemeyer: A empresa reparou de um tempo para cá o crescimento bem bacana no número de ofertas de entretenimento da cidade e esse aclive de ofertas como shows e teatro, tem uma tendência a crescer. As ofertas de entretenimento são hoje 15% dos cupons vendidos na página do peixe urbano de Goiânia, uma porcentagem bem expressiva. Entendemos que essa procura é uma necessidade do usuário que visitam a página.

DMRevista: Quanto tempo o Peixe Urbano está na capital?

Marcus Niemeyer: Está há cerca de quatro anos.

DMRevista: Por que o Peixe Urbano se reposicionou?

Marcus Niemeyer: A empresa mudou o posicionamento. A compra coletiva foi aquele fenômeno de 2010, mas esse ano, 2014, o Peixe Urbano virou de fato um site de comércio local, de e-commerce local. Hoje, trabalhamos sem o princípio da coletividade que era no início, na qual necessitava de várias pessoas para ativar uma oferta. Hoje uma oferta no Peixe Urbano está ativa para quem quiser comprar, independente do número de pessoas. Deixamos o segmento de compra coletiva e passamos a ser um clube de ofertas com maior prazo de validade. A empresa mudou porque se reposicionou depois do fenômeno da compra coletiva. Então aquela foi uma fase que na minha opinião considero brilhante do Peixe Urbano. Na verdade, a gente percebeu que o mercado mudou conforme todo mundo vem mudando. Vimos que a compra coletiva tinha uma curva não tão linear. Percebemos também que quanto mais ofertas tivéssemos no ar e mais disponibilidade para o usuário, mais ele estava na nossa página.

DMRevista: E em relação às reclamações com as compras coletivas no site, por exemplo?

Marcus Niemeyer: As reclamações, por exemplo, não tiveram nada a ver com a nossa mudança, até porque o Peixe Urbano é muito preocupado com a experiência do usuário. Estudamos efetivamente o usuário. Temos um investimento constante para poder entender a satisfação do usuário. O índice de satisfação chegou a 92%, fomos premiados no Reclame Aqui, no quesito de atendimento. A empresa, hoje, é bem focada na experiência do usuário. Como que se foca nisso? Aumentando toda a estrutura de atendimento do usuário, no pós-venda e na qualidade dos estabelecimentos que a empresa hoje aceita como parceira para oferecer para os usuários.

DMRevista: Quantas pessoas trabalham na equipe Goiânia?

Marcus Niemeyer: Três pessoas.

DMRevista: E toda a equipe do Peixe Urbano?

Marcus Niemeyer: Em torno de 380 a 400 pessoas.

DMRevista: Vocês têm o feedback de qual é o público que vocês atingem?

Marcus Niemeyer: O Peixe Urbano atende um nicho muito grande. Podemos concentrar para as pessoas de 25 a 45 anos economicamente ativa porque precisa de cartão de crédito para efetivar a compra.

DMRevista: E para Goiânia? Quais as estratégias que o Peixe Urbano está desenvolvendo para o entretenimento?

Marcus Niemeyer: Estamos promovendo a integração do sistema com as casas de shows, no sentido de melhorar a experiência do usuário. Estamos tentando evitar o uso do cupom impresso e migrar para o cupom digital. Hoje, o aplicativo do Peixe já tem o cupom digital. Tanto que o parceiro pode dar baixa no cupom pelo telefone do usuário ou através do aplicativo do parceiro que já está disponível do sistema android e em breve no sistema da apple. Esse aplicativo para o parceiro é basicamente para a validação do cupom e também um passo adiante para eliminar a troca de cupom de papel e problemas de falsificação. Fica mais fácil para o cliente, para o parceiro e para o Peixe Urbano.

DMRevista: Como funciona o portal do parceiro?

Marcus Niemeyer: O portal de parceiro indica quantas pessoas compraram, quantas pessoas validaram o cupom, mostra o perfil de compra: se foi mais masculino ou feminino. Tudo isso em gráfico. O parceiro consegue acompanhar e inclusive fazer uma pesquise se ele quiser fazer uma fidelização do cliente. Essas ferramentas são o que a gente procura para Goiânia fora a parceria do foursquare.

DMRevista: Como é essa parceria?

Marcus Niemeyer: O foursquare é um app de check -in de localização. A parceria do Peixe Urbano deu a oportunidade de quando você faz o check-in, o foursquare mostra pra você as ofertas que tem ali por perto. Você consegue já efetivar a compra dentro do aplicativo da foursquare. É uma parceria bastante interessante inclusive para o parceiro. É mais uma janela de oportunidade de mostrar o produto dele dentro de um dos maiores aplicativos do mundo no sentido de geolocalização.

DMRevista: Qual é o feedback desse possível parceiro?

Marcus Niemeyer: Está sendo bacana, todos eles gostam muito até pela importância e abrangência do aplicativo. Quando você faz uma parceria com o Peixe Urbano, você não está somente no site, há toda uma estratégia de marketing, uma amostragem para o parceiro em diversos canais de mídia, de atendimento. O foursquare aumentou ainda mais o canal de visibilidade para o parceiro, é a marca dele sendo divulgada para mais pessoas, para um público mais segmentado e direto. Há outra coisa que a gente fez foi começar a usar mais o Use Agora. É o cupom que você compra e usa na hora pra show ou para teatro. Também é uma forma para apresentar para as outras categorias: gastronomia, estética.

DMRevista: Quais são os parceiros de Goiânia?

Marcus Niemeyer: Fazemos muita parceria com as produtoras. Não fazemos com lugares específicos. A ideia é que façamos com os locais também. Como mudamos o nosso posicionamento e estamos como um comércio local eletrônico, vale mais ter acesso a qualquer tipo de ingresso de um teatro de Goiânia independente da produtora. Procuramos todos os lados possíveis para atender a demanda do usuário. Pensamos em ter essas parcerias perenes, longas e consolidadas. Os empresários enxergaram Goiânia como um mercado em potencial e o Peixe enxerga Goiânia como mercado ascendente para entretenimento e cultura. O Peixe Urbano é somente um facilitador para que as pessoas possam frequentar bons lugares.

Fonte: Jornal Diário da Manhã, Goiânia, 29/04/2014