Peixe Urbano leva ‘Oscar das startups’ nos Estados Unidos (Folha de S. Paulo)

Site de compras coletivas ganha premiação de melhor empresa iniciante de tecnologia internacional

Criada em 2010 por três brasileiros, empresa atingiu 16 milhões de usuários; Brasil está no ‘topo’, diz fundador

Por Nelson de Sá

O site de compras coletivas Peixe Urbano ganhou o prêmio Crunchies de “melhor startup internacional” na madrugada de ontem, em San Francisco, Califórnia (EUA).

Vista como “Oscar das startups” (empresas iniciantes de tecnologia), a premiação está na quinta edição anual e é organizada pelos sites TechCrunch, GigaOm e VentureBeat, do Vale do Silício.

O principal prêmio, de “melhor startup”, foi para o DropBox, site de serviços de computação em nuvem. “Foi uma mega-honra subir ao palco com os fundadores do DropBox, os criadores do Siri, o fundador do Twitter”, diz Alex Tabor, um dos três fundadores do Peixe Urbano, que recebeu o prêmio no Davies Symphony Hall.

Entre outros, o site brasileiro bateu a empresa finlandesa de games Rovio, que criou em 2009 o Angry Birds, para aparelhos móveis, e o site de mídia social Badoo, sediado em Londres, mas do russo Andrey Andreev.

ASCENSÃO

Criado em 2010, o site de compras coletivas foi concebido por Tabor, Emerson Andrade e Julio Vasconcellos, colunista da Folha, que se conheceram quando eram estudantes da Universidade Stanford. Sócio que comanda a área de tecnologia, Tabor diz que, na apresentação do Peixe Urbano durante a cerimônia, foi citada a marca de 16 milhões de usuários, em menos de dois anos.

“E eles falaram sobre o Brasil, dizendo que é um mercado gigante. O Brasil no topo do mundo”, brinca. “Mas deram um número que é até defasado, de 75 milhões de internautas.” Segundo dados do Ibope Nielsen, o número estaria em 78,5 milhões.

Tabor viajou aos EUA dias antes da premiação para recrutar engenheiros nas universidades de Berkeley, Caltech e Stanford, para os projetos de ampliação do Peixe Urbano. Obteve “resposta excelente, muita gente que quer trabalhar no Brasil”. Também se encontrou com engenheiros dos sites de mídia social LinkedIn e Facebook.

“Essas empresas estão bastante focadas no Brasil”, diz. “No LinkedIn, encontrei vários brasileiros que trabalham lá, inclusive um que é o responsável pela parte de globalização do site. Eles estão investindo muito, abriram um escritório em São Paulo. O Facebook também.”

Para Vasconcellos, presidente do Peixe Urbano, é a vez das “startups” do país. “As pessoas estão vendo e dizem ‘o país está crescendo, muita startup, oportunidade’, num momento em que os EUA estão meio estacionados.”

Fonte: Folha de S. Paulo, Mercado, 02/02/2012

Versão impressa

Versão impressa