Serviço de compra coletiva pela internet chega ao país (Folha de S. Paulo)

Inspirado em tendência de negócios nos EUA, PeixeUrbano estreia nesta semana

Receita do site, que serve de marketing para empresas, vem de comissões sobre as vendas; portal foi criado por representante do Facebook 

Por Mariana Barbosa

Junte um grupo de amigos e ganhe descontos de mais de 50% em bares, restaurantes, salões de beleza, academias e outros serviços na sua cidade. É isso que propõe o Peixe Urbano, “start up” que estreia na internet nesta semana no Brasil.

Inspirado nos sites americanos Groupon, LivingSocial e Twongo, que viraram febre nos Estados Unidos no último ano, o Peixe Urbano usa a web para conectar clientes e prestadores de serviço do mundo real.

Assim como nos sites americanos, usuários cadastrados recebem um e-mail por dia com uma superpromoção. Pode ser, por exemplo, um cupom de R$ 40 que vale para um gasto de R$ 80 em uma churrascaria. Ou desconto na matrícula de um curso de inglês ou na academia de ginástica.

O cliente compra o cupom de desconto no site, imprime e depois é só apresentar no estabelecimento. Para que tudo funcione, basta que pelo menos 20 pessoas se interessem pela promoção. Para isso, o PeixeUrbano conta com o boca a boca virtual das redes sociais.

Criado por Júlio Vasconcellos -jovem de 29 anos que passou os últimos cinco no Vale do Silício e acaba de assumir o posto de representante do Facebook no Brasil-, e Alex Tabor -também de 29, americano desenvolvedor de software que está há oito anos no país-, o site está baseado em um modelo de negócios que se beneficia da força viral da web.

Mas, diferentemente de muitos negócios que, apesar do grande sucesso, penam para se mostrar rentáveis (como Facebook, Twitter e Youtube), o modelo de compra coletiva é remunerado via comissão sobre as vendas, paga pelo estabelecimento comercial. Quanto mais pessoas comprarem o cupom, mais receita para o PeixeUrbano. Para simplificar, os sites de compra coletiva limitam as ofertas a uma por dia. Com esse limite, o crescimento se dá via expansão geográfica.

“O Groupon, que é o mais antigo, já tem lista de espera de seis meses para as empresas que querem oferecer descontos”, diz Vasconcellos.

Para as empresas, os sites de compras coletivas funcionam como uma ferramenta de marketing. “Além das pessoas que se interessam pela promoção e querem conhecer e experimentar o serviço, as empresas ganham exposição junto a todo mundo que está cadastrado para receber as mensagens”, diz Vasconcellos, que está contratando uma equipe de redatores de publicidade para escrever o texto dos e-mails com as ofertas. O serviço começará no Rio e, em duas semanas, chegará a São Paulo. A ideia é atingir sete cidades nas próximas semanas.

O PeixeUrbano trabalha com uma tecnologia que permite aprimoramentos diários no site, a partir do conceito de inovação rápida que Vasconcellos está trazendo do Vale do Silício. “Isso permite lançar um produto que não está 100% pronto, mas está “usável” e ir aprimorando a partir do feedback dos usuários”, diz ele, que, nos últimos três anos, foi vice-presidente da Experience Project, portal de redes sociais para pessoas com interesses afins, com mais de 4 milhões de usuários.

Cansado dos EUA e entusiasmado com as perspectivas da economia brasileira, ele conta que pediu demissão para tocar o PeixeUrbano. O convite para representar o Facebook veio em seguida.

Investimento do bolso
Além de Vasconcellos e Tabor e de uma equipe de redatores, o PeixeUrbano terá representantes comerciais em cada cidade para buscar a adesão de mais empresas. A dupla, que se conheceu em um voo dos Estados Unidos para o Rio há cinco anos, não fala em projeções de faturamento. O investimento para dar início ao projeto saiu do próprio bolso.

“Gastamos muito pouco, na verdade, pois fizemos praticamente tudo sozinhos”, diz Vasconcellos, responsável pela área comercial e de produto -Tabor cuida da parte de software. A dupla ainda não tem escritório e fez tudo de casa.

Vasconcellos conta que há conversas com alguns investidores de fundos de venture capital e fundos anjo -que investem em empresas nascentes-, mas não há nada fechado. Um mês antes da estreia, o site entrou no ar para as pessoas fazerem cadastro. Oferecendo um vale de R$ 10 para quem chamar amigos, Vasconcellos espalhou o link criando páginas nas redes sociais. Ele não revela quantos usuários já se cadastraram, mas diz que espera chegar a 20 mil por cidade no dia do lançamento, previsto para terça ou quarta-feira.

Fonte: Folha de S. Paulo, 28/03/2010

Folha de SP 2010.03.28

Versão impressa