Site Peixe Urbano abandona filão das compras coletivas (Folha de S. Paulo)

Empresa desiste de modelo para se tornar e-commerce de serviços locais; concorrentes seguem a tendência

Por Clara Roman

O Peixe Urbano, site que tornou-se conhecido pelas compras coletivas, já não é mais um site de compras coletivas. Depois de mais de três anos do seu lançamento, a empresa quer se assumir como um e-commerce de serviços locais, uma espécie de “prateleira de ofertas”.

Segundo Julio Vasconcellos, presidente-executivo da empresa, as compras coletivas deixaram de ser uma novidade e tornaram-se mais um canal de vendas, incorporado ao cotidiano.

A ideia de compra por impulso foi substituída. Agora, o site quer ter variedade de produtos e mantê-los em oferta por mais tempo: antes, ficavam até 72 horas e hoje, permanecem por semanas.

Julio Vasconcellos, presidente-executivo do site Peixe Urbano

Julio Vasconcellos, presidente-executivo do site Peixe Urbano

Mas a principal mudança é que não há mais um número mínimo de clientes para a compra ser efetuada, o que caracterizava a compra coletiva. Um único usuário consegue comprar seu produto imediatamente e já utilizá-lo no mesmo dia.

A tendência também é observada em outros sites do gênero, como o Groupon e Click-on, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos.

Outra mudança é no valor do desconto, que tornou-se mais flexível. Antes, o site só vendia produtos desconto mínimo de 50%. Hoje, já aceita taxas menores em produtos que possuem margens mais apertadas.

Segundo Vasconcellos, a existência do site também não é mais novidade para os parceiros que ofertam seus produtos -e enxergam o Peixe Urbano como mais um canal de divulgação.

“Da mesma forma que ele compra um anúncio, ele coloca seu produto no site”, diz.

As mudanças já ocorrem desde 2012, mas a empresa quer comunicar isso para os clientes agora. “Não foi da noite para o dia. Mas se olhamos o site de hoje e o de 2010 percebemos
que muita coisa mudou”, afirma ele.

O Groupon passou pelo mesmo processo. O site quer se consolidar como local de referência de produtos, ao qual os usuários recorrem para buscar opções, como a Amazon. Já o Click On, também com o mesmo conceito, se especializou em viagens, hoje seu carro-chefe.

Sobrevivência

Vasconcellos afirma que, durante o boom, muita gente lançou seu próprio site de compras coletivas. Em certo momento, ele lembra de ter cerca de mil concorrentes. Para sobreviver, o Peixe Urbano optou por critérios rígidos para a escolha dos parceiros.

“Os sites menos rigorosos acabaram fechando. O mercado consolidou muito”, diz.

Fonte: Folha de S. Paulo, Mercado, 26/10/2013

 
Versão impressa

Versão impressa